Ao lado de fornecedores de Big Tech CDN e Cloud, empresa participa do lançamento do Content Delivery Network (CDN)


A Azion, idealizadora e responsável por uma plataforma de Edge Computing que permite construir e executar aplicações serverless na borda da rede, participa do lançamento do Content Delivery Network (CDN), iniciativa do MANRS (Normas Mutuamente Acordadas para Segurança de Roteamento). O objetivo é ampliar o suporte para proteger grandes hubs da Internet, adotando ações específicas para melhorar a resiliência e a segurança da infraestrutura, a fim de manter a rede segura para empresas e consumidores. Além da Azion, participam inicialmente do projeto grandes companhias como Akamai, Amazon Web Services, Cloudflare, Facebook, Google, Microsoft e Netflix.



Atualmente, existem mais de 7.000 sistemas autônomos no Brasil, sendo que apenas 33 participam do MANRS. A ideia é ampliar o número de empresas envolvidas para que, juntas, possam trabalhar na redução de ataques à Internet. “Grande parte dos ataques é proveniente da utilização de spoofing (falsificação) em cima do protocolo UDP, uma vez que é possível, dessa forma, esconder a verdadeira origem e direcionar os ataques aos alvos que o agressor escolheu”, explica Rogério Mariano, diretor de Edge Strategy da Azion.


Ao ingressar ao MANRS, as empresas se comprometem com a segurança de roteamento definida por um conjunto de seis ações, das quais cinco são obrigatórias: impedir a propagação de informações incorretas; impedir o tráfego de endereços IP de origem ilegítima; facilitar a comunicação e a coordenação operacional global; facilitar a validação de informações de roteamento em escala global; incentivar a adoção ao MANRS e fornecer ferramentas de monitoramento para parceiros de peering (opcional). Existe, portanto, um compromisso com a sustentabilidade e com a resiliência do ecossistema da Internet.


A iniciativa adiciona programas para provedores de serviços de Internet (ISPs), ou operadoras, e pontos de troca de tráfego (IXPs), locais neutros concebidos para melhorar a interconexão da Internet. “Ao participar do MANRS, as empresas não só ficam responsáveis por fornecer segurança, mas também propagar as boas práticas do Content Delivery Network (CDN)”, afirma Mariano.


O roteamento de segurança é imprescindível para o futuro. Todos os anos, interrupções ou incidentes de roteamento, como sequestro de dados, vazamento de informações, falsificações e ataques DoS em alta escala – tentativas de fazer com que aconteça um sobrecarga no servidor ou computador para que os recursos do sistema fiquem indisponíveis para seus usuários – levam à perda de receita e danos à reputação de muitas companhias.


O MANRS surgiu para abordar essas ameaças por meio de ações técnicas e colaborativas. “A segurança da Internet como um todo depende da segurança de roteamento. É preciso que as lideranças mudem o mindset e invistam na adoção de filtros para evitar a propagação incorreta de informações. A Azion está fortemente comprometida com a segurança de roteamento da Internet”, alerta o diretor de de Edge Strategy da Azion.


De acordo com Andrei Robachevsky, gerente sênior dos programas de tecnologia da Internet Society, que apoia o MANRS, o projeto CDN abre um novo e empolgante capítulo no desenvolvimento das normas de segurança de roteamento. “Serão implementados controles mais rigorosos, o que ampliará a conscientização e o incentivo à adoção das normas previamente definidas. Colaboração e responsabilidade compartilhada são fundamentais para o sucesso do MANRS”, finaliza.


Participe das comunidades tecflow no FacebookLinkedInInstagram Twitter

https://www.tecflow.com.br/feed

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.