As bandas de 3,5 GHz e 28 GHz foram as mais empregadas nos testes realizados



Operadoras e fabricantes de tecnologias móveis continuaram demonstrando, durante 2019, o potencial das redes 5G na América Latina para casos de uso que vão desde a banda larga móvel melhorada (eMBB) até a Internet das Coisas Massiva (MIot). Segundo dados revelados pela 5G Americas, cinco redes 5G começaram a operar durante 2019.


A rede 5G lançada no Uruguai em abril de 2019 usa a banda de 28 GHz, enquanto que em Porto Rico e nas Ilhas Virgens Americanas (dezembro) uma operadora usou a banda de 600 MHz. Ainda em dezembro, as operadoras em Trindade e Tobago e Suriname anunciaram o lançamento de redes 5G para serviços como acesso fixo sem fio (FWA). Enquanto isso foi lançado um contrato para o desenvolvimento de uma rede 5G.

Por sua vez, durante 2019 foram executados ao menos 30 testes da 5G em 12 países. A maioria destes testes ocorreram no terceiro trimestre de 2019, demonstrando principalmente o uso de eMBB em smartphones. Também realizaram sessões de realidade aumentada, aplicações de Internet das Coisas (IoT) para indústria e cidades inteligentes, telessaúde e banda larga sem fio.

O estudo da 5G Americas inclui os testes anunciados publicamente durante o ano 2019 em 20 países da América Latina. É preciso considerar que existem testes da 5G que não são informados publicamente derivados de investimentos em infraestrutura de rede.


Os testes de tecnologia 5G revelados pela 5G Americas empregam principalmente a banda de 3,5 GHz e, em menor medida, a de 28 GHz.

Três países concentraram a maioria dos testes (18, equivalente a 60% do total). No Brasil foram reportados 10 testes enquanto que no Chile e Peru 4 cada um. No Brasil e no Peru os teste utilizaram espectro de banda de 3,5 GHz, enquanto que no Chile incluiu essa banda e a de 28 GHz.

Em mercados como Equador, México e República Dominicana realizaram alguns anúncios de testes 5G, mas a informação disponível não permitiu especificar as frequências utilizadas e os casos de uso experimentados.


Na região são registrados anúncios de testes da 5G desde 2016, em mercados como Argentina, Brasil, Colômbia e México. Anteriormente, uma menor participação ou ausência de testes foi registrada no exercício de 2019, o que necessariamente indica que nestes mercados existe ausência de testes da 5G.

Como é do conhecimento público, a tecnologia 5G precisará de espectro de bandas baixas, médias e altas para atender uma variedade de conexões e serviços. Os testes 5G mostram a importância de bandas como a de 3,5 GHz e 28 GHz, assim como mecanismos que permitam sua organização para permitir usos sem interferências.

Espectro 5G na América Latina



Pelo menos cinco administrações nacionais planejam alocar espectro considerado apto para 5G dentro dos próximos 18 meses: Brasil, Chile, Equador, México e Peru. A banda de 3,5 GHz é considerada nestes concursos. Além dos cinco países que já operam redes 5G: Chile, México e Peru têm blocos da banda de 3,5 GHz que foram alocados para outros serviços (acesso fixo sem fio) para empresas de telecomunicações, o que pode possibilitar seu uso para novos serviços móveis.

Participe das comunidades tecflow no FacebookLinkedInInstagram Twitter

https://www.tecflow.com.br/feed

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.