A virtualização das redes de telecomunicações e sua habilitação por software torna cada vez mais viável sua gestão com aplicações de inteligência artificial

A Long Term Evolution (LTE) estabeleceu tecnologias para as telecomunicações sem fio que se expandiram com o desenvolvimento da 5G, no entanto a integração de inteligência artificial (IA) e a distribuição das capacidades de computação irão contribuir para transformar redes e ambientes de aplicações para permitir a inovação em serviços digitais. Assim é especificado pelo “5G Global: tecnologias e elementos transformacionais”, um trecho do estudo publicado pela 5G Americas.
O documento analisa como a 5G em IA contribuirá para a automação e a administração das redes em aspectos concretos como a otimização da rede em tempo real, o manejo de redes com maior número de small cells, organizar o uso de várias bandas de espectro em redes 5G, cibersegurança e o monitoramento de problemas na infraestrutura de rede.


A IA já está presente em algumas aplicações de uso massivo, como os assistentes de voz e o reconhecimento biométrico, contudo eventualmente espera-se que esteja mais integrada a casos de uso como veículos e cidades inteligentes, apoiando em tarefas como reconhecimento de linguagem facial, segurança, processamento de sensores, compreensão de cenários e reconhecimento de objetos.

Leia também: 6 cursos de tecnologia gratuitos e online para fazer durante quarentena

As redes 5G são propostas como uma plataforma de inovação futura capaz de suportar cidades inteligentes, veículos conectados e aplicativos massivos da Internet das Coisas (IoT), que exigem elementos de infraestrutura, como acesso ao espectro, mas também tecnologias transformacionais, como IA.

Vários dos elementos transformacionais da 5G já haviam sido introduzidos nas redes LTE: desenvolvimento de small cells, suporte para Internet das Coisas (IoT), novas arquiteturas de rede (SDN, NFV) e integração de IA. A combinação destas tecnologias com características especificas de 5G, como o acesso ao espectro nunca utilizado para banda larga sem fio irão permitir o desenvolvimento de serviços como IoT massivo e comunicações celulares entre veículos (V2X).

O estudo destaca que redes mais distribuídas, virtualizadas e habilitadas por software combinadas com IA possibilitará um duplo benefício para os usuários, pois isto pode contribuir para uma melhor gestão das redes pelos provedores e para o desenvolvimento e aplicações inovadoras.


O estudo “5G Global: tecnologias e elementos transformacionais” pode ser baixado aqui.   

Participe das comunidades tecflow no Telegram, FacebookLinkedInInstagram Twitter

https://www.tecflow.com.br/feed

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.